COMO UMA HARLEY-DAVIDSON MUDARIA UMA VIDA


Fecho os olhos e sinto o vento no meu rosto, a brisa do fim de tarde entrando levemente pelo punho da minha jaqueta. Sinto a música na estrada, o sussurrar, a melodia que toca e me entoca em pensamentos. E, como instrumento de percussão, o motor da minha Harley acompanhando nota a nota essa canção. Desacelero e percebo que as pessoas me olham, fazem de mim celebridade, importância de instante. Aceno levemente e a cada arranque, arranco sorrisos e olhares, mas eu não posso ficar. Cruzo um país inteiro. Gente formosa, de boa prosa, gente pobre, rica, gente feliz feito essa minha nova vida. Pego chuva, sol, não ligo. Abraço o tempo pra me sentir vivo. Ando sem destino para sugar todo esse meu contentamento. Acelero, vibro, freio, me emociono e toco pra frente. Cheio de rodeios eu sigo, piloto sensações que não cabem no meu capacete. 

Mas logo acordo e percebo: Uma Harley-Davidson não poderia mudar uma vida que já foi transformada mesmo antes de tê-la.

Um comentário:

  1. Como sempre, com riqueza de detalhes. Parabéns pelo texto Lange. abrç Erlon.

    ResponderExcluir

Digite aqui seu comentário. Se não tiver um login válido e comentar como Anônimo, favor colocar o seu nome no final para que o autor saiba quem é!